Máquina de solda

Definição de arco elétrico

É descarga elétrica mantida através de um gás ionizado, iniciada por uma quantidade de elétrons emitidos do eletrodo negativo (catodo) aquecido e mantido pela ionização térmica do gás aquecido.

Para obtenção do arco elétrico necessitamos uma fonte de energia, denominada de máquina de solda popularmente e, no meio técnico, de fonte de soldagem.

O que são máquinas de solda?

São máquinas que permitem a obtenção do arco elétrico em baixas tensões (10 a 50 V) e altas correntes (40 a 500 A), sendo utilizada em soldagem nos processos Eletrodo Revestido, MIG/MAG, TIG, Arco Submerso, Plasma e Eletroescória.

De forma esquemática, uma máquina de solda pode ser representada pela figura 1. A máquina de solda é alimentada pela rede elétrica, mono, bi ou trifásica, em tensões normais de 110, 220, 380 ou 440V. Qualquer que seja a alimentação, a tensão de saída nos bornes da máquina deverá estar entre 10 a 50 V, e o tipo de corrente poderá ser alternada ou contínua.

Representação esquemática de uma máquina de solda por arco elétrico

Representação esquemática de uma máquina de solda por arco elétrico

Tipos de máquinas de solda

 As máquinas de solda mais simples são pequenos transformadores, que reduzem a tensão de alimentação para as tensões mencionadas, mantendo a corrente alternada. Devido a simplicidade do equipamento, são de baixo custo e aplicados em processos de soldagem onde se trabalha com corrente alternada. Exemplo típico deste tipo de equipamento são as pequenas máquinas de solda de eletrodo revestido utilizadas em metalúrgicas de pequeno porte ou mesmo para uso em campo. Um exemplo deste tipo de equipamento pode ser visto na figura 2, com as devidas características técnicas.

Catálogo de uma máquina de solda denominada transformador

Figura 2: Catálogo de uma máquina de solda denominada transformador

Para processos que requeiram o uso de corrente contínua, existem as máquinas de solda conhecidas como fontes retificadoras. Elas retificam a corrente através de diodos e tiristores, sendo muito aplicados no processo MIG/MAG, eletrodo revestido e TIG. Devido a maior complexidade do equipamento, seu custo é mais elevado. Exemplos deste tipo de equipamentos podem ser vistos na figura 3.

Devido a grande evolução da eletrônica, atualmente são construídos equipamentos cada vez menores e mais versáteis. Na década de 80/90 foram lançadas as chamadas fontes inversoras, que reduziram drasticamente o tamanho dos equipamentos, conforme mostrado na figura 4. Na mesma época começaram a surgir máquinas de solda denominadas multiprocessos, que permitem soldar com diversos processos de soldagem, seja em corrente contínua ou alternada, conforme mostrado na figura 5.

Figura 3 : Catálogo de equipamentos de fontes retificadoras dos processos TIG e MIG/MAG

Figura 3 : Catálogo de equipamentos de fontes retificadoras dos processos TIG e MIG/MAG

Figura 4 : Catálogo de fonte inversora, capaz de soldar por eletrodo revestido e TIG

Figura 4 : Catálogo de fonte inversora, capaz de soldar por eletrodo revestido e TIG.
Peso do equipamento – 8 kg

Figura 5 : Catálogo de fonte multiprocesso do IMC/Labsolda/UFSC

Figura 5 : Catálogo de fonte multiprocesso do IMC/Labsolda/UFSC

Para uso em locais onde a energia elétrica não está disponível, existem os chamados geradores de energia. Estes equipamentos são cada vez mais raros, pelo simples fato da energia elétrica estar disponível praticamente me qualquer local.

Curvas características estáticas da máquina de solda

As máquinas de solda (também chamada de fonte de energia ou fonte de soldagem) podem ser classificadas em fonte de corrente constante e fonte de tensão constante. O que significa isto? Veja na figura 2 as curvas apresentadas pelo fabricante denominadas característica estática, reproduzida na figura 6. Na verdade estas curvas demarcam uma região onde a máquina de solda trabalha, considerando as correntes e tensões envolvidas. No caso específico da curva considerada, a corrente varia pouco para uma dada variação da tensão. Neste caso denominamos esta fonte de corrente constante. Ela é típica dos processos de soldagem por eletrodo revestido e TIG. Isto significa dizer que nestes processos a regulagem a ser feita é da corrente de soldagem. A região que a máquina trabalha fica então limitada a correntes entre 30 a 150 A, com a tensão variando em torno de 20 a 30V, devido às características elétricas do arco elétrico (veremos a adiante a razão da tensão ficar entre estes valores).

Figura 6 : Curva característica estática do fonte de soldagem

Figura 6 : Curva característica estática do fonte de soldagem
da figura 2 – corrente constante

Para o processo de soldagem MIG/MAG as fontes são de tensão constante, e podem ser representadas pelas curvas mostradas na figura 7. Note que a tensão varia pouco, para uma significativa variação da corrente. Ou seja, no processo MIG/MAG convencional, iremos regular a tensão de soldagem. Isto é feito pelos comandos disponíveis no equipamento.

Figura 7 : Característica estática de uma fonte de soldagem MIG/MAG convencional - tensão constante

Figura 7 : Característica estática de uma fonte de soldagem MIG/MAG convencional – tensão constante

Tanto a curva mostrada na figura 6 como a da figura 7 recebem o nome de curvas características estáticas da fonte, e definem em que regiões o equipamento trabalha quanto ao nível de corrente e tensão possíveis de serem aplicados na soldagem. Para entender melhor este conceito, façamos uma comparação com a tomada de sua casa. A tensão da tomada é constante (110 ou 220V), mesmo para elevados valores de corrente. Assim, se representarmos a curva de saída da tomada a mesma seria uma fonte de tensão constante, conforme mostrado na figura 8.

Figura 8 : Curva de saída da tomada de sua casa – tensão constante

Figura 8 : Curva de saída da tomada de sua casa – tensão constante

Imaginemos agora que liguemos nesta tomada um aparelho elétrico, por exemplo um aquecedor elétrico de características puramente resistivo, com resistência de 5,5Ω e 11Ω. Como este aquecedor responde ao par tensão e corrente que passam por ele ? Considerando a equação : V = R . I – sendo V : tensão, I : corrente e R : resistência, temos para cada valor da resistência R, a relação V / I como constante, e se fizermos a representação gráfica num diagrama V xI , teremos uma reta que passa pela origem, com inclinação dependendo do valor de R, conforme mostrado na figura 9.

Figura 9 : Ponto de funcionamento do aquecedor elétrico

Figura 9 : Ponto de funcionamento do aquecedor elétrico

Na figura 9, os pontos determinados pela intersecção da curva do resistência R e da curva de alimentação de sua tomada definem o ponto de funcionamento, que se dará na corrente de 10 e 20 A respectivamente às resistências de 11 e 5,5Ω . Este conceito se aplica também na soldagem, e o ponto de funcionamento dependerá da resistência à passagem da corrente do arco elétrico, que veremos a adiante.

Fator de trabalho

Em todas as máquinas de solda são especificadas os valores do chamado fator de trabalho. Este fator relaciona a corrente de soldagem utilizada e o tempo de soldagem que é permitido utilizar a máquina de solda com arco elétrico aberto, em relação a um tempo de 10 minutos. Por exemplo, veja na figura 2 o fator de trabalho indicados para 3 níveis de corrente, reproduzidos na tabela abaixo.

Tabela 1: Fator de trabalho indicados para 3 níveis de corrente

Tabela 1: Fator de trabalho indicados para 3 níveis de corrente

Assim, caso se faça uma regulagem de corrente de 150 A, recomenda-se que num tempo de 10 minutos não se ultrapasse de (20% X 10 minutos) = 2 minutos de arco aberto, ou seja , efetivamente soldando. Caso se regule a máquina com 60 A, poderia-se soldar durante 6 minutos num tempo total de 10 minutos. Isto se faz necessário para que o equipamento possa se resfriar durante a parada de soldagem, de forma a preservar o equipamento de um aquecimento excessivo, que poderia causar sérios danos ao equipamento.

Abertura do arco elétrico

Para obtenção do arco elétrico, partimos da regulagem da máquina, seja ela de tensão ou corrente constante. A cada regulagem temos, nos bornes da máquina, uma combinação de corrente e tensão que se situa sobre uma curva. Conectando-se nos bornes o cabo terra e o porta eletrodo (no processo eletrodo revestido) ou a pistola com alimentação de arame (no processo MIG/MAG) temos estas partes energizadas. O contato físico entre a ponta do eletrodo revestido (parte metálica) com a peça a ser soldada (conectada ao cabo terra) implica num pequeno curto-circuito, que devido a passagem de uma corrente e uma tensão aplicada, gera um aquecimento localizado. Este aquecimento promove a emissão de elétrons da superfície do metal aquecido – fenômeno denominado emissão termoiônica -, além de gerar gases devido a queima de parte do revestimento. Os elétrons emitidos da superfície bombardeiam os gases contidos na região a frente do catodo, de modo que as moléculas dos gases ou vapores metálicos são ionizados pela retirada de elétrons da camada de valência. A ionização do gás permite a passagem de corrente, formando um arco de plasma. Neste arco os íons se movimentam em alta velocidade, promovendo um intenso aquecimento. A estabilização deste arco depende de um processo contínuo de emissão de elétrons, o que é garantido pelo aquecimento gerado pelo próprio arco. Uma vez aberto, o arco pode ser estabilizado, pois seu aquecimento gera contínua emissão de elétrons por emissão termoiônica, que ioniza o gás e assim sucessivamente.

Para abrir o arco, basta aproximar o eletrodo da peça e toca-lo levemente. Neste instante a emissão termoiônica passa a atuar, e elétrons são emitidos da superfície metálica aquecida, ocorre a ionização dos gases e o arco se abre. A estabilização dependerá da correta manutenção da distância entre a ponta do eletrodo e da peça. Caso a distância seja inexistente, a ponta aquecida e fundida pelo arco aberto encosta e se solidifica junto a peça a ser soldada, extinguindo o arco. Neste caso o sistema está em curto-circuito, e o aquecimento do eletrodo se dará apenas por efeito Joule. Se a distância for muito elevada, o arco se extingue pois ele não se estabiliza para grandes distâncias. A estabilidade do arco no processo eletrodo revestido depende da abertura do o arco e manutenção de uma distância constante entre a ponta do eletrodo e a peça a ser soldada.

Porque o arco se extingue quando afastamos demasiadamente a ponta do eletrodo e a peça a ser soldada. ?

Resposta : Porque o arco se torna instável. E porque o arco se torna instável ? Porque o arco tem seu próprio comportamento elétrico, dado pela chamada característica estática do arco. Vejamos as características estáticas do arco nos processo MIG/MAG, TIG e Eletrodo Revestido mostrado nas figuras 10, 11 e 12.

Figura 10 : Características estáticas do processo MIG/MAG, para os gases (a)CO2, (b)Art e (c) C-25 (Ar com 25%CO2)

Figura 10 : Características estáticas do processo MIG/MAG, para os gases (a)CO2, (b)Art e (c) C-25 (Ar com 25%CO2)

Figura 11 : Características estáticas do processo Eletrodo Revestido do tipo rutílico, celulósico e básico.

Figura 11 : Características estáticas do processo Eletrodo Revestido do tipo rutílico, celulósico e básico.

Figura 12 : Características estáticas do processo TIG

Figura 12 : Características estáticas do processo TIG

Na figura 10 são mostradas as curvas do arco no processo MIG/MAG, para 3 diferentes tipos de gases de proteção (Ar, CO2 e uma mistura C25 – Ar com 25%CO2), arame de aço carbono de um 1mm de diâmetro. Cada curva é válida para uma certa altura do arco, e representa a relação entre a tensão e corrente a que o arco está submetido. Destas curvas observamos a faixa de corrente e tensão que os arcos se estabilizam, para os diferentes gases de proteção. Assim, por exemplo, no caso do CO2 observa-se que os arcos são curtos (baixos) e que a tensão necessária para estabilizar o arco se encontram na faixa de 25 a 40V, onde podemos ter correntes variando entre 80 a 280 A. Na realidade podemos soldar em tensões levemente inferiores e correntes levemente superiores. De qualquer forma, estas curvas mostram a faixa de estabilização do processo MIG/MAG, nos dando a noção das correntes de soldagem e tensão aplicadas. Ao compararmos o CO2 com o Ar, verificamos que o Ar implica em arcos mais longos (altos), podendo as tensões ser menores. A mistura C25 mostra um comportamento híbrido, com alturas intermediárias e baixas tensões de soldagem.

Deve-se atentar ao formato das curvas e sua posição quanto a altura do arco. A figura 10 nos mostra que, para uma mesma corrente que passa pelo arco, a altura do arco será tanto maior quanto a tensão aplicada. Podemos, portanto, controlar a altura do arco regulando a tensão de soldagem.

E como fica definido o ponto de funcionamento num processo de soldagem. De forma semelhante, devemos considerar as curvas de saída da máquina de solda e as características estáticas do arco. Superpondo as duas, encontramos os possíveis pontos de funcionamento. Utilizemos para isto o processo MIG/MAG, onde a saída da máquina possui uma tensão constante e façamos a sobreposição sobre as características estáticas do arco para este processo mostradas na figura 10. Esta superposição pode ser vista na figura 13.

 Quando fazemos a regulagem da máquina em dada tensão, escolhemos uma curva, representada pela cor vermelha. O ponto de funcionamento dependerá agora da altura em que o arco se estabilizará. Esta altura dependerá da tensão aplicada e da velocidade do arame, conforme será demonstrado na prática do laboratório.

Figura 13 : Ponto de funcionamento no processo MIG/MAG

Figura 13 : Ponto de funcionamento no processo MIG/MAG

Lista de marcas e fabricantes de máquinas de solda

Bambozzi

Vonder

V8

Nagano

Lee Tools

Eletromeg

ESAB

Merkle Balmer

Einhell

Worker

Star Weld

Weld Vision

Boxer

Easy Mig

Palavras finais
 Espero que tenha curtido este artigo sobre o máquinas de solda. Para atingir seus objetivos, continue lendo meus artigos mas também dedique-se a obter ao menos o nível avançado de comunicação no idioma inglês.
Gelson LuzMáquinas de solda